PLACAS FOTOVOLTAICAS NO MESMO PREÇO DAS TELHAS

Mais um produtos da Tesla, novas telhas solares da empresa que são acessíveis para o proprietário médio. Segundo Elon Musk (CEO da Tesla), elas terão aproximadamente o mesmo custo que o telhado de telha normal.

Musk explicou que é um problema de difícil tecnologia ter uma célula solar bonita e integrada com uma telha, que durasse 30 anos e o tornasse um dos telhados mais baratos disponíveis.

De acordo com dados de 2016 da Bloomberg New Energy Finance (BNEF), a energia solar já se tornou a maneira mais barata de gerar energia, e a Agência Internacional de Energia estimou que será a principal fonte de energia do mundo até 2050.

Pesquisadores da IBM desenvolveram o novo sistema Térmico Fotovoltaico de Alta Concentração (HCPVT), que tem um desempenho muito melhor do que os atuais painéis solares convencionais, e os engenheiros afirmam que ele pode aumentar a energia do sol em 2000-5000 vezes.

Textos e Imagens: Pensar Contemporâneo

GELADEIRA DE ARGILA SEM ELETRICIDADE

Surge uma nova proposta para combater a poluição provocada pelo petróleo nas zonas portuárias, um cabeleireiro francês, Thierry Gras, está a colocar em marcha o projeto Coiffeurs Justes, um novo método de reutilização de resíduos de cabelo humano. Segundo este sistema inovador, os fios de cabelo ajudam a limpar a micro poluição dos oceanos, através da sua capacidade de absorção. 

Os cabelos doados por vários cabeleireiros de países da Europa, destinados a servir de enchimento para meias de nylon, formando, assim, tubos flutuantes. Cada tubo flutuante, com as mechas de cabelo, é capaz de absorver a quantidade de petróleo equivalente a oito vezes o seu peso. Este projeto pretende, assim, eliminar os derrames de óleo nos oceanos, que de outra maneira não seriam tão rapidamente resolvidos. 

Fontes e Imagens: Essência do Ambiente

FIOS DE CABELOS LIMPAM OS OCEANOS

Surge uma nova proposta para combater a poluição provocada pelo petróleo nas zonas portuárias, um cabeleireiro francês, Thierry Gras, está a colocar em marcha o projeto Coiffeurs Justes, um novo método de reutilização de resíduos de cabelo humano. Segundo este sistema inovador, os fios de cabelo ajudam a limpar a micro poluição dos oceanos, através da sua capacidade de absorção. 

Os cabelos doados por vários cabeleireiros de países da Europa, destinados a servir de enchimento para meias de nylon, formando, assim, tubos flutuantes. Cada tubo flutuante, com as mechas de cabelo, é capaz de absorver a quantidade de petróleo equivalente a oito vezes o seu peso. Este projeto pretende, assim, eliminar os derrames de óleo nos oceanos, que de outra maneira não seriam tão rapidamente resolvidos. 

Fontes e Imagens: Essência do Ambiente

AUTOSSEXUAL: APAIXONADO POR TI MESMO

Um jeito pouco conhecido, mas real, de vivenciar a sexualidade: a autossexualidade. São bem conhecidas as orientações sexuais de se sentir atraídos pelo mesmo sexo ou pelo sexo oposto. Mas o autossexual, é alguém atraído por si mesmo e isso acontece até o ponto em que nada ou ninguém os excita mais do que o seu próprio corpo.

A autossexualidade vai um passo além da ideia de amar-se, mimar-se e ter uma autoestima saudável. E até muito além de desfrutar do prazer sozinho ou ter mais facilidade para atingir o orgasmo na masturbação do que com um parceiro. É a capacidade de ter uma relação romântica e sexual com nós mesmos, e até exclusiva.

“Assim como os heterossexuais são atraídos por pessoas do sexo oposto e os homossexuais pelas do mesmo sexo, os autossexuais são atraídos por si mesmos”, explica a sexóloga Emma Placer, e ela insiste em que se trata de uma orientação sexual em si mesma, mas que costuma causar confusão porque é pouco comum.

Fontes e Imagens: El País

MITO DA RECICLAGEM INFINITA ESTIMULA O CONSUMO

A reciclagem é uma grande enganação e como a economia circular se tornou o álibi da indústria descartável. Apesar de sempre achar que a reciclagem é um embuste, fiquei feliz com a reflexão da diretora da organização Zero Waste France, Flore Berlingen, autora do livro “Recyclage, le grand enfumage: comment l’économie circulaire est devenue l’alibi du jetable”, (na Amazon.fr a 20€) ainda sem tradução para o português.

“Na realidade, deveríamos estar reduzindo a quantidade de coisas que consumimos e jogamos fora. A prioridade é a prevenção, ou seja, a diminuição do lixo na sua origem. Mas, infelizmente, o mundo tem se focado na solução da reciclagem deste lixo – talvez porque essa seja a solução mais fácil, ou talvez porque essa indústria também se tornou rentável”, afirma a ativista, em entrevista ao programa C’est Pas du Vent, da RFI.

O livro constata que, em vez de estimular um círculo virtuoso baseado na consciência sobre a escassez dos recursos naturais, a reciclagem acabou por livrar o peso da consciência dos consumidores: basta colocar tudo no lixo reciclável e podemos voltar a comprar mais.

Fontes e Imagens: RFI