VOLTAR PARA O CAMPO

Foto: Jasmin Chew no Pexels

O fenômeno mundial de uma utopia urgente de voltar para o campo. Deixar as grandes e médias cidades com a complexidade urbana e viver na zona rural.

Com a pandemia e a recomendação da adesão ao home office para todos os setores, com uma grande percentual que querem evitar de voltar para os escritórios, também cresceu o número de pessoas que fugiram para o meio do mato.

Este êxodo urbano tem na Espanha e em grande parte do mundo moderno uma participação de muitas famílias levando em conta a felicidade descrita por aqueles que puderam viver esta transformação. 

Na Espanha, várias prefeituras de pequenos municípios aproveitam a oportunidade para tentar a atrair população jovem com boa Internet; há também dados que apontam, no país europeu, o aumento da procura de casas em municípios espanhóis com menos de 5.000 habitantes, como mostra o site Idealista (14,8% do total em novembro contra 10,1% em janeiro de 2020); e o total de pedidos registrados pelo Projeto Arraigo para se mudar a um povoado: 2.000 em 10 meses, o mesmo que nos quatro anos anteriores, quando foi criada a iniciativa de ajuda à repovoação.

Há vários fatores que justificam a fuga para o campo. Mais contato com a natureza, menos contato com os problemas das grandes cidades (mais caras, mais desiguais, mais saturadas), deixar o vício dos celulares e toda essa convulsão existencial que vem sendo o século XXI e que deixa o ser humano sem poder respirar. 

Fontes e Imagens: El país

INVEJA É UMA EMOÇÃO PERIGOSA

Foto de Cottonbro no Pexels

Desde os filósofos gregos antigos, que escreveram sobre a inveja, a Immanuel Kant, que descreveu a inveja como a “tendência a perceber com desprazer o bem dos outros”, passando por Aristóteles, Tomás de Aquino, Adam Smith, Schopenhauer ou Nietzsche, todos chegaram a uma conclusão semelhante: a inveja é um estado de espírito destrutivo e doente que prejudica não apenas o invejoso, mas aqueles a quem inveja. 

Hoje em dia os políticos buscam transformar a inveja que é um vício pessoal em virtude, a manipular a tendência humana à inveja, em um meio muito eficaz de ganhar poder e controle sobre populações desprevenidas. 

Um equívoco comum é confundir inveja com indignação. Aristóteles (Retórica), enfatiza a diferença entre os dois conceitos: “A pessoa indignada sente raiva da prosperidade daqueles que não a merecem e da inveja de todos.” ou “A indignação é sentida no bem-estar das pessoas más, enquanto a inveja é da felicidade das boas.”

As pessoas contemporâneas estão sujeitas a doses maciças de informações através das redes sociais, as pessoas podem ter opiniões sobre a felicidade daqueles que nunca conheceram ou grupos de pessoas às quais não pertencem; e, como resultado desses sentimentos, eles podem invejar. 

Arthur Schopenhauer descreve a inveja em relação às qualidades pessoais: “Dirigido contra as qualidades pessoais é o mais insaciável e venenoso, porque o invejoso fica sem esperança; é também o tipo mais baixo de inveja, pois odeia o que deveria amar e respeitar”.

Todas pessoas ressentidas pela inveja são fisiologicamente distorcidas e alimentam o verme da inveja em seu íntimo, em muitos casos não se contentando apenas em deturpar a imagem do seu invejado, mas planejando derrubá-lo e destituí-lo da posição vista e entendida como superior. Como disse Nietzsche: “É uma pena ser feliz! Há muita miséria!” 

Fontes e Imagens: Pensar contemporâneo

VIAJES SEMPRE COM TEUS FILHOS.

Foto de Olya Kobruseva no Pexels

Viagens de férias com seus filhos, os tornam mais felizes e independentes, sem dúvida é o melhor presente de aniversário ou nas datas especiais.

No estudo realizado e publicado pelo The Jornal of Social and Personal Relationships, com mais de 500 pessoas, o melhor presente que já receberam, foram as experiências e novos lugares que as viagens proporcionam.

As viagens de férias, proporcionam impulsos para a felicidade a longo prazo e tornam as crianças mais inteligentes, conforme artigo no The Telegrah, da pesquisa da Dra. Margot Sunderlan

A pesquisa descobriu que pequenos momentos de positividade, como uma palavra gentil, abraçar uma criança, receber compaixão, fazem as pessoas se sentirem mais amadas. Dra. Sunderlan escreve; “Se você está no dilema de comprar um tablet ou férias, considere o benefício cognitivo que a viagem terá no desenvolvimento da criança.”

A ideia de oferecer às crianças o mais do nosso tempo, possa parecer pouco em relação a presentes caros e da moda. Mas pesquisas recentes mostram que a experiência humana vivida e compartilhada entre os pais e seus filhos, fortalecem muito os seus laços afetivos.

Fontes e Imagens: Viajero peligro

A FELICIDADE ESTÁ NAS COISAS SIMPLES DA VIDA

Foto de Viktoria Slowikowska no Pexels

A eterna busca da felicidade acredito, que passa, por valorizar mais os seus atributos do que adquirir apenas informações para agradar, fazer parte de um grupo específico ou fazer parte daquilo que socialmente é aceitável. Trabalho é importante pois nos trará conforto e aos que nos cercam. Mas tem que ser na dose certa, por isso uma vida simples com menos consumismo nos trará mais felicidade se realmente trabalharmos menos. Simples assim.

Com isso teremos mais tempo no dia para nos dedicar de forma amorosa ao que nos faz feliz ou traz felicidade aos outros. Não podemos deixar de lado os nossos atributos inatos porque disseram que não serve para nada e que não há como ganhar dinheiro com isso, que é perda de tempo e que estamos sendo ridículos. Não é verdade. Ridículo é passar a vida tentando suprir as expectativas alheias ou as normas sociais impostas. 

Não somos somente trabalho. Na verdade, muitos dos melhores valores não custam nada, são gratuitos, como um sorriso, um olhar de gratidão, um suspiro de alívio, um momento de amor. 

Importante sabermos no que somos bons de fato. Se pudermos trabalhar com isso, perfeito, mas se não pudermos. Vamos à luta e nunca devemos parar de aplicar nos dia a dia nossos atributos inatos, sejam eles quais forem. Mesmo trabalhando naquela função que não lhe agrada, enfrentar o trânsito, o ônibus lotado, o chefe chato, o cliente ligando a cada cinco minutos, os prazos gritando no ouvido, pois dentro do dia haverá o momento que tu farás aquilo que traz verdadeira satisfação. Aguardará avidamente por esse momento e o mais legal, farás todos os dias. 

Nossa vida ficará mais leve quando aprendermos a aplicá-los a cada momento que tivermos oportunidade. Como já diz o ditado… “Ser feliz é simples o difícil é ser tão simples assim”.

Fontes e Imagens: O segredo

NÃO SE ADEQUAR A UMA SOCIEDADE DOENTE É UMA VIRTUDE

Nós vivemos numa sociedade pragmática e controlada, que leva a um comportamento padrão, com muitas regras e obrigações. Vivemos sempre a seguir um padrão único, como se fôssemos todos iguais. Sendo assim, a vida acaba se transformando em uma grande linha de produção, em que todos têm que fazer as mesmas coisas, ao mesmo tempo e no mesmo ritmo, de modo a tornar todos iguais, sem qualquer peculiaridade que possa definir um indivíduo de outro e, por conseguinte, torná-lo especial em relação aos demais.

Nossa sociedade hoje mata nossos sonhos e teatraliza a felicidade em vez de permitir que cada um encontre a sua própria felicidade. Somos obrigados a sorrir o tempo todo, porque não se pode jamais demonstrar fraqueza. E compactuamos com a farsa de que estamos felizes, e assim as mentiras soam como verdade.

Fontes e Imagens: Revista Prosa Verso e Arte.

QUANTO MAIS APARÊNCIA, MAIS CARÊNCIA.

Hoje em dia somos prisioneiros da ditadura da aparência, vítimas de uma sociedade de consumo em que quanto mais se tem, mais se é, fácil cair no erro de se preocupar muito em ter uma imagem social de sucesso e felicidade, esquecendo-se do nosso verdadeiro bem-estar.

Para isso as redes sociais têm “ajudado” muito, pois nos promete uma imagem social impecável, tornando nós mesmo apenas figurante neste teatro digital. 

Fontes e Imagens: Pensar Contemporaneo.