ANDANTE DIGITAL – UMA OUTRA OPÇÃO, MORAR EM MORRO REUTER

Sábado cedo, às sete horas da manhã, peguei o ônibus para Morro Reuter, RS, a sair da rodoviária de São Leopoldo. Fica a pouco menos de 31 km, em apenas 35 minutos estava a praça da cidade. Um município com as características que eu busco para morar, pequeno, uma população estimada em 2020 (IBGE) de 6.513 pessoas, com 70% na zona urbana.

A cidade é uma graça, limpa e organizada, com um pequeno comércio que fecha na hora do almoço, entre as 12h00 e 13h30 de segunda a sexta. Tem um mini banco do Bradesco e uma máquina como a de passar cartão, em uma florista, que tira dinheiro do Banco do Brasil. Agência de banco mesmo só o Banrisul.

Foi com uma dica do meu amigo Chico, sobre a pessoa que tinha um lugar para alugar. Quando cheguei me deparei com uma linda casinha completa, cheia de móveis antigos, livros, quadros, com lavanderia, cozinha, sala, quarto e banheiro. E para o frio no inverno, mesmo no começo da Serra Gaúcha (600 metros), tem um ótimo sistema de calefação.

Gostei muito da casinha, mas a senhora não tinha ainda o preço por mês, estava sendo alugada por diárias no aplicativo Airbnb. Mas o mais incrível é a disposição, lucidez do casal proprietário,  ele médico pediatra com 94 anos e ela “elétrica”, professora universitária com apenas 90 anos. 

Para mim a casinha é perfeita, tem internet e fica num morro, distante uns 2 km do centro da cidade. Está numa floresta com muitas araucárias, aqueles pinheiros típicos da região, mais uma linda vista de várias cidades no horizonte, Dois Irmãos, Novo Hamburgo, São Leopoldo e que vai até Porto Alegre, que fica a 65 km da casa.  

Fico no aguardo do valor do aluguel para pegar as minhas duas mochilas e ser morroreutense. Dei mais um passo para “virar” gaúcho de vez, comprei um chip 51 para o meu celular (telemóvel). Mas bá tchê…

Fontes e Imagens: Carlos Pojo Rego

ANDANTE DIGITAL – BUSCANDO UMA CIDADE PARA MORAR

Na quinta-feira, estive o dia todo em Picada Café no Rio Grande do Sul, estava a procurar uma cidade na serra Gaúcha, para ser a primeira parada deste nômade digital. Estive com algumas pessoas que me deram dicas para encontrar o meu “lar” temporário. No posto de combustível da gaúcha Ipiranga, Fiquei concentrado na aula de inglês, com dois dos meus seis filhos via internet, éramos três pessoas, uma filha na Suíça, um filho em Brasília e eu em Picada Café, distantes entre si por milhares de quilômetros, mas o fato estarmos naquele bate papo tão gostoso, mostra uma realidade que ainda me surpreende. Viva a tecnologia do bem. Depois fiquei a perguntar se alguém conhecia pessoas que alugavam quartos ou kitnet na cidade.

Indicado pelo senhor com cara de italiano, num mundo onde só se vê caras de alemães, acabei chegando a uma antiga casa no centro da cidade. Lá falei com uma senhora, que aparentava uns 90 anos, ela me disse que todos os dois quartos estavam alugados. A idosa e mais uma senhora mais jovem acompanhada por sua inseparável vassoura preste a começar a limpeza do chão, mas, que durante todo o tempo que lá estive, nunca aconteceu, A senhora com sua vassoura é que comandava o “inquérito” sobre o que eu ia fazer em Picada, para quem eu trabalhava, quanto tempo eu ia ficar, de onde eu vim, etc e tal. Isso felizmente não durou muito tempo, elas sugeriram ir à única pousada da cidade na beira da estrada para Gramado. Nem fui à pousada, pois já a conhecia, e sua diária estava fora do meu orçamento de moradia temporária. Fiquei sem teto…

Voltei, de ônibus, para São Leopoldo, para a casa dos meus amigos. Amanhã volto a procurar um lugar para morar, vai ser numa cidade próxima, Morro Reuter. Através da prima de um amigo meu Leopoldense, encontrei um contato para uma kitnet. Vamos lá …