Andar

Esta atividade está ligada à mobilidade para viver, tanto no campo, na cidade como entre as cidades que vou morar. 

Como o próprio nome diz – Andante e Digital, tem seu vínculo maior com o andar a pé. Sem dúvida a melhor  maneira de conhecer verdadeiramente as cidades. Poder conversar com seus habitantes e conhecer seus segredos e personalidades.

A bicicleta é, na minha opinião, a melhor opção para curtas distâncias. Além de fazer bom exercício físico, que é bom para a saúde, mesmo utilizando as bicicletas elétricas assistidas, aquelas que você tem que pedalar para o motor elétrico funcionar. É um dos meios de transporte menos poluente que existe, praticamente zero de emissão de carbono.

O transporte coletivo é o meio de transporte que eu utilizo para percorrer médias e longas distâncias. Uso o ônibus, o trem, o metrô, o barco e o avião. O Brasil é péssimo nesse quesito, e felizmente temos algumas gloriosas exceções, como a região metropolitana de Porto Alegre, onde é possível utilizar-se de quase todos os meios citados acima. Numa viagem que fiz entre Dois Irmãos e Guaíba, , numa distância de 80,5 km, pude usufruir do ônibus (Wendling) entre Dois Irmãos e Novo Hamburgo, depois o trem (Trensurb) entre Novo Hamburgo e Porto Alegre e por último peguei um barco, para a travessia com um catamarã (CatSul) entre Porto Alegre e a cidade Guaíba.

A última opção é o automóvel, o transporte individual mais poluente, quando movidos a combustíveis fósseis. Esta situação ainda deve durar alguns anos no Brasil, pois os preços dos carros elétricos ainda estão bem salgados.Não tenho automóvel próprio há mais de cinco anos. Uso quase sempre o sistema de aplicativo no celular (telemóvel) o Uber,mas a velha e sincera carona é também uma boa opção.

Uma das opções para o meu transporte na etapa ou maneira de viver do Andante Digital é o uso de um veículo com reboque para transportar a sua pequena mudança para uma nova casa. Esta mudança, principalmente se você tiver filhos em idade escolar, deverá acontecer sempre no final do ano letivo.

Fontes e Imagens: Carlos Pojo Rego